Reflexão sobre a influência cultural árabe e persa na China

Quando tento aprender novas línguas, apercebo-me de duas coisas. Ao fazê-lo na companhia de nativos, estes ficam frequentemente muito orgulhosos do seu idioma. Tão orgulhosos que isso às vezes acaba por me incomodar. Mas a verdade é que também dou conta que é justamente esse orgulho que forma a base da sua motivação para me ensinar a língua que falam com tanto entusiasmo.

Os novos “chineses”

“Não”. Com uma palavra apenas a minha esposa deixou bem clara a opinião dela sobre uma controversa afirmação minha: em breve a China terá de abrir as portas à imigração. Isto porque a população vai começar a encolher de forma “imparável” a partir de 2029, após atingir um pico de 1,44 mil milhões, confirma um relatório divulgado no início de Janeiro.

Dragão do Mar em Rio Vermelho

Foi Rio Vermelho, bairro conhecido pelo clima cultural e pelos acarajés (bolinhos fritos com recheio de feijão fradinho) em Salvador, Bahia, o lugar eleito para a entrevista com Sun Sun. Figura solar no auge dos seus setenta anos, natural de Guangzhou, dotado de um sorriso maroto, expressão faceira, o senhor Sun chega em dupla, acompanhado da filha baiana Yin Yee Carneiro, 41 anos.

“China Races” de Austin Coates

Todos temos na memória aquelas encenações medievais que se fazem em Itália recreando as corridas de cavalos do renascimento. Uma parafernália de cores e sons, junto das catedrais das cidades estado com os jockeys vestidos a rigor, ostentando os brasões das famílias a que pertenciam, enquanto escravos criados e estribeiros fardados a rigor seguram os equídeos ataviados luxuosamente.