A outra metade do céu

Macau regista na sua história algumas páginas negras. Felizmente não muitas. Mas ao longo dos seus quatrocentos anos de existência regista principalmente um grande número de páginas em branco. Entre elas contam-se as que deveriam falar sobre a questão da escravatura e não falam.

Contos de Fadas do Mundo do Caos – Memorandum das Pessoas de Macau numa Época Caótica

Antes de serem compilados em livro, os contos desta colecção foram apresentados na forma de duas peças de teatro, que estrearam em 2015 e 2016 em Macau no Teatro D. Pedro V. A iniciativa da Associação Breakthrough e do Instituto Cultural de Macau foi bem acolhida pelo público e as duas peças acabaram por ser adaptadas e apresentadas em livro em 2017.

PORTUGAL NO TECTO DO MUNDO

Por estranho que hoje possa parecer, a verdade é que antigamente era bem mais fácil desbravar mundo por mar do que por terra. Portugal é disso exemplo. Isto porque ainda na primeira década do século XX era bem mais fácil – senão mesmo mais rápido – viajar a bordo do vapor que fazia a carreira entre Lisboa e Porto do que pôr o pé no estribo da diligência que, desde não muito antes, tinha começado a perfazer, aos solavancos e por etapas, os trezentos e tal quilómetros que separam a capital de Portugal da sua segunda cidade.

Doomsday Hotel

Doomsday Hotel, obra de Wong Bik Wan, autora de Hong Kong, foi escrita em cantonês e tem tradução de M. Klin. O título aponta directamente para o espaço onde se passa a história, que fala sobre diversas gerações macaenses a viver em Macau e com o destino associado a um hotel.