Uma reflexão sobre o “eu” sínico

É enquanto pessoa egoísta que escrevo esta reflexão sobre o “eu” na língua chinesa moderna (língua que prefiro designar como a língua dos Han ou, em cantonês, dos Hon). Mas não se trata inteiramente de egoísmo ou de um ego lusófono, uma vez que, mesmo que esteja a escrever em português, uma parte do meu “eu” permanece confucionista e cantonense.

Esconder o sorriso (II)

Voltanto ao “mistério” das chinesas esconderem a boca quando se riem de uma piada (mais ou menos irreverente), a nossa colaboradora Yu Yin (余音), da província de Guangdong, responde que esse comportamento se enquadra no conceito antigo, dos tempos imperiais, de que é suposto as senhoras comportarem-se como verdadeiras shūnü (淑女), isto é, damas ou fidalgas,.

Esconder o sorriso (I)

Para os ocidentais que vivem (ou viveram) em terras chinesas, uma constatação universal é a de que muitas mulheres chinesas (sobretudo as mais jovens) costumam cobrir a boca (com uma das mãos) sempre que se riem de uma piada ou de uma situação cómica, sobretudo se esta subentender algum toque de inconveniência.

Por que razão é Portugal o país onde as uvas têm dentes?

"Pu Tao Ya" ou "Pou Tou Nga", é o nome oficial de Portugal, em chinês mandarim e em cantonense, respectivamente. Literalmente, os uvas-dentes. Mas porquê? Hoje, o chinês moderno conta entre as raras línguas que empregam ainda os logogramas. Cada logograma tem vários, até muitos significados. Para os chineses, os caracteres que compõem o nome de Portugal são escolhidos por razões fonéticas, ou seja, não têm um significado especial.

O canto do remorso perpétuo

Chang Hen Ge é um poema narrativo baseado na história de amor entre um dos mais importantes imperadores da dinastia Tang, o já sexagenário imperador Xuanzong (que reinou entre 712 e 756, durante 43 anos) e a sua jovem concubina, cujo nome de nascimento era Yang Yuhuan, mas que ficou conhecida para a posteridade como Yang Guifei.