Contradições

foto_perfil

 

 

 


Catarina Domingues*

矛盾 máo dùn (substantivo/verbo/adjectivo)contradição; contraditório; contradizer; conflituoso.

 ***

Durante os três semestres que estudei mandarim na universidade em Pequim, poucas vezes foi explicada a origem ou a história que está por trás de um carácter ou palavra chinesa. Estes cursos de mandarim são intensivos – aprendem-se dezenas de novos caracteres por dia – e, por isso, há pouco espaço para esses apontamentos. Com a necessidade de memorizar novas palavras, acabei por não ter o tempo que desejava para olhar com mais atenção para a escrita chinesa. Como tantas vezes já vimos neste blogue, é possível entender um pouco sobre a origem ou a história de um carácter só de olhar para ele. É mais fácil fazê-lo na escrita tradicional (utilizada em Macau e Hong Kong) e é verdade que no Interior da China foi adoptada a versão da escrita chinesa simplificada, criada nos anos 1950 com o objectivo de tornar mais acessível a alfabetização. A escrita simplificada tem um menor número de traços nos ideogramas e o que acabou por acontecer é que em alguns dos caracteres o leitor deixou de conseguir associar o desenho ao significado. Há vários caracteres, porém, que são iguais nas duas escritas. É o caso de máo dùn (矛盾). Tanto máo  (lança), como dùn  (escudo) são utilizados na escrita tradicional e simplificada.
O carácter máo  (lança) assemelha-se a uma arma afiada, já nas versões mais antigas do carácter dùn  (escudo) conseguimos claramente ver um olho (mù), que representa a cabeça de um soldado numa batalha a proteger-se com um escudo.
Mas e por que razão é utilizada a expressão máodùn 矛盾 (lança+escudo) quando queremos falar de uma “contradição”?

***

Releio os meus apontamentos de mandarim, tenho Ryuichi Sakamoto, músico, compositor japonês, nos ouvidos. Hoje não podia fazer mais sentido.

 ***

A palavra 矛盾 (máo dùn) tem origem na expressão idiomática 自相矛盾 (zìxiāng máodùn), que significa: “contradizer-se” ou “contraditório”. 自相 significa “a si”, “um ao outro”, “mutuamente”. Com o tempo, generalizou-se a utilização da versão mais curta e simples: 矛盾.

***

Aula de chinês de um dia destes: Esta é a história de um mercador de lanças ( máo) e de escudos ( dùn), que viveu durante o Reino de Chu (1030 a.C – 223 a.C). O vendedor gabava-se de não existirem escudos mais resistentes do que os seus. Nem o mais afiado dos objectos consegue perfurar a peça, assegurava. Das lanças que vendia, dizia serem as mais afiadas do mundo e com capacidade para trespassar qualquer objecto robusto. Certo dia, um cliente perguntou ao mercador o que aconteceria se utilizasse uma das suas lanças para atravessar um dos seus escudos. O vendedor não soube como responder.

maodun_cadernos

 ***

Cinco torres, outras pessoas (também) pequeninas e insignificantes entram esta manhã pela minha janela. Do 14.º andar de um edifício alto, cores secas, na Taipa, Macau, lembro-me d´“O Parque dos Cervos”, tradução do brasileiro Sérgio Capparelli do poema 鹿柴 de Wang Wei.

Montanha deserta
Ninguém à vista.
Só eco de vozes
e a luz do poente,
Bosque profundo:
reflexos no musgo,
derradeiro fulgor: verde.

空山不见人,
但闻人语响。
返影入深林,
复照青苔上。

* jornalista 

One thought on “Contradições

  1. António Graça de Abreu diz:

    Minha tradução, António Graça de Abreu

    鹿柴

    空山不见人
    但闻人语响
    返影入深林
    复照青苔上

    A Cerca dos Veados

    Ninguém na montanha vazia,
    apenas o eco de vozes, na distância.
    A luz insinua-se pela floresta, ao entardecer,
    e ilumina, ao de leve, o musgo verde.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s