30 anos revista MACAU: A lepra através dos tempos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Luciana Leitão

Em tempos, os que sofriam de lepra “carregavam consigo o peso do anátema, intocáveis condenados à repulsa”, dizia António Augusto Menano, na edição de Janeiro de 1993 da revista MACAU. No território, os que dessa doença sofriam, viveram durante muitos anos confinados na Leprosaria de Ka-Ho.
Em 1993, já não existia a Leprosaria de Ka-Ho, mas o Lar de Ka-Ho. E albergava ainda 35 antigos leprosos, cujas idades variavam entre os 45 e os 80 anos. “Há quem tenha ido para lá na década de 30, com 9 anos de idade, e quem fale de ‘piratas’ que lhes roubavam o arroz e as escassas moedas”, esclarece o autor. Longe ia o tempo em que “a comida lhes era deixada na praia, por barcos que se afastavam, rapidamente, daquele local maldito”.
O Lar era então administrado pelo Instituto de Acção Social e contava com a presença do Padre Nicosia, que, durante muitos anos, “foi a força tutelar e amiga dos leprosos”. E se então a comunidade “era visitada e apoiada, nas épocas festivas (e não só) por outras organizações”, o autor do artigo recorda uma altura em que a mentalidade era outra. “Vai longe a época em que o padre Caetano Nicosia era o ‘pai’ isolado de toda aquela marginalizada comunidade”, continua o artigo. Aliás, “responsáveis de outras organizações religiosas, como o pastor Juvenal Clemente, acompanhado de japoneses de passagem por Macau, não têm esquecido os residentes daquele lugar onde, quando morriam, eram sepultados na encosta sobranceira ao novo porto de águas profundas.”
À data do artigo, os tempos são outros. E os moradores daquele Lar já podem visitar os familiares e parentes residentes na China e em Macau, além de passear pela cidade. “São ‘sinais’ destes, de ‘abertura’, que nos fazem acreditar na mudança lenta das mentalidades.”

[Este texto faz parte de uma série do Extramuros em que se recuperam alguns dos momentos que marcaram as três décadas da revista MACAU, uma das mais antigas publicações em língua portuguesa ainda em circulação]

Outros posts:

A carimbadela no umbigo (Junho, 1992)
Artistas dão cartas em Singapura (Julho, 1989)
A China em Construção (Maio, 1988)
A história da “Tia Chencha”
 (Abril 1988)
A Agência Lusa abria uma delegação em Macau 
(Fevereiro/Março 1988)
Do trote ao galope (Novembro, 1987)

8 thoughts on “30 anos revista MACAU: A lepra através dos tempos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s