30 anos revista MACAU: A carimbadela no umbigo

Luciana Leitão

No início do décimo oitavo dia da quinta lua, seguindo o calendário chinês, decorre um ritual no templo de Na Cha, entre as travessas de D. Quixote e de Sancho Pança, a que se chama “carimbadela no umbigo”. Trata-se de uma cerimónia “protectora e demonífuga”, conforme se lê num artigo de Cecília Jorge, publicado na edição de Junho de 1992 da revista MACAU.
Reza a tradição que, chegados a esse dia, os pais levam as crianças ao templo de Na Cha, para essa “carimbadela” que teria a validade de um ano, “já que os velhos carimbos de madeira são guardados e selados depois do ritual”.carimbadela no umbigo_fb
E, se no início dos tempos se destinava apenas “a crianças de tenra idade — alvo preferido dos espíritos perniciosos, sempre à espreita de carne tenra e apetitosa”, já então se havia estendido a todos os que buscavam prevenção ou alívio de qualquer mal. “E carimba-se onde for preciso, onde quer que doa ou que funcione mal. É de aproveitar, porque é muito eficiente”, dizia uma guardiã voluntária do templo, citada nesse artigo. Além da marca no corpo, quem quiser pode também levar um certificado “numa folha de papel-vento amarelo, a cor preferida para as práticas exorcistas que envolvem crianças”, lê-se na reportagem.
O culto de Na Cha é bairrista e “a sua comunidade de afilhados” é dedicada, regressando sempre, nesta altura do ano, para a festa. Na Cha é considerado “o deus-traquinas”, por “ser tão dado a travessuras que o pai era frequentemente forçado a prendê-lo numa gaiola especial, já que se evadia com facilidade das outras”. Além disso, “tinha rodas nos pés” que asseguravam “uma velocidade vertiginosa sempre que fugia de algum castigo”.
Costuma contar-se às crianças que “a maior das suas partidas foi a de não ter querido nascer findo o prazo de gravidez da mãe. Sentia-se tão bem dentro do seu ventre que, baldadas várias tentativas, foi preciso ludibriá-lo para que saísse, ao fim de três anos.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Revista MACAU, Série II, n.º2, Junho 1992

[Este texto faz parte de uma série do Extramuros em que se recuperam alguns dos momentos que marcaram as três décadas da revista MACAU, uma das mais antigas publicações em língua portuguesa ainda em circulação]

Outros posts:

Artistas dão cartas em Singapura (Julho, 1989)
A China em Construção (Maio, 1988)
A história da “Tia Chencha”
 (Abril 1988)
A Agência Lusa abria uma delegação em Macau 
(Fevereiro/Março 1988)
Do trote ao galope (Novembro, 1987)
Território preparava central de incineração dos resíduos sólidos (Setembro/Outubro, 1987)
A lorcha regressa ao mar (Julho, 1987)

7 thoughts on “30 anos revista MACAU: A carimbadela no umbigo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s