“China Races” de Austin Coates

Todos temos na memória aquelas encenações medievais que se fazem em Itália recreando as corridas de cavalos do renascimento. Uma parafernália de cores e sons, junto das catedrais das cidades estado com os jockeys vestidos a rigor, ostentando os brasões das famílias a que pertenciam, enquanto escravos criados e estribeiros fardados a rigor seguram os equídeos ataviados luxuosamente.

Mortinho por sobreviver

Com o ano quase a terminar, o ranking de bilheteira do cinema chinês é liderado naturalmente por “Operação Mar Vermelho”, uma mega-produção da indústria cinematográfica de Hong Kong com um orçamento de 70 milhões de dólares (61,4 milhões de euros) e cuja mensagem patriótica levou a que fosse fortemente promovida pelo Partido Comunista Chinês.

O carácter dos pessimistas

Há quem diga que é um concorrente sério à eleição de carácter do ano. A nova palavra "qiou", popular por estes dias nas redes sociais chinesas, combina três caracteres: 穷 (qióng), que quer dizer "pobre" ,丑 (chǒu), que significa "feio" e 土 (tǔ) que é "terra". Juntos podem ser traduzidos em português como "paupérrimo/miserável e feio".

Casa e quarto em chinês

Estudar a etimologia, embora de forma amadora, tornou-se na minha grande paixão. Aprendi recentemente, por acaso, a palavra uigure “ئۆي” (öy), que significa simultaneamente “casa” e “quarto”. Esta descoberta conduziu-me à associação com os kanjis (caracteres japoneses, emprestados directamente do chinês clássico) utilizados para a palavra “quarto” em japonês moderno: “部屋”.